10 dicas para preparares a viagem da tua vida

Por “viagem da tua vida” entende-se aquela viagem gigante que sempre quiseste fazer. Aquela volta ao mundo (ou meia volta!) com que andas a sonhar há anos e a poupar ainda há mais.

Em vésperas de partir para a primeira viagem da minha vida (sim, porque vão haver mais!) faço uma lista para te ajudar a preparar a tua. O processo de preparação parece infindável… onde é que vou? Como? Quanto é que vou gastar? Vou apanhar malária?! Entre muitas outras questões que parecem não ter resposta à vista. Depois de ter passado por tudo isso e ter encontrado algumas das repostas aqui vão as minhas dicas para não sucumbires ao desespero!

  1. A escolha do(s) destino(s)

Esta escolha está altamente dependente das seguintes variáveis: tempo disponível; orçamento; altura do ano e gosto pessoal.

Dou-te um exemplo: quando estava a planear a minha viagem, inicialmente queria fazer três países do Sudoeste Asiático, Austrália e América do Sul + Central.
Depois lembrei-me que só tinha 6 meses e que viajar na América do Sul demora imenso tempo, pesquisei, e percebi que o custo de ir da Austrália para Buenos Aires é, no mínimo, de 600/700 euros e li que não podia fazer trekking na Patagónia – uma das coisas que mais queria – porque na altura em que lá ia chegar era Inverno e os trilhos estariam interditos.

Como podes ver, todas as variáveis pesaram gravemente na minha decisão e há que pesquisar um pouco para ver o que é, ou não, realista. Provavelmente terás que definir prioridades já que também não precisas de ver o mundo todo só de uma vez 🙂

Acabei por incluir nos meus 6 meses: Tailândia, Malásia/Bornéu, Singapura, Austrália, Nova Zelândia, Filipinas, Indonésia, Timor-Leste e Sri Lanka.

globe-indonesia-equator-80467

          2. Companhia de viagem

Este ponto pode ser um “make or break”. Quando vais numa viagem de fim-de-semana ou uma semana não precisas de pensar muito com quem vais. Não é assim tão difícil de aguentar uma pessoa durante poucos dias. Mas 6 meses? É provável que não existam muitas pessoas com quem te consegues dar 24 horas por dia durante 180 dias!

Por outro lado, também é possível que não encontres ninguém para fazer a “viagem da tua vida” contigo até porque nem toda a gente quer/pode gastar rios de dinheiro numa viagem e os 22 dias da lei não dão espaço a longas aventuras.

Por estas duas razões optei por fazer a minha viagem sozinha. Nunca o fiz, mas sei que entre hostels, couchsurfing e aplicações para conhecer outros viajantes o mais certo é que nunca esteja sozinha.

pexels-photo-196666

           3. Voos

É o primeiro passo para oficializar a viagem! Apesar de reduzir a tua flexibilidade, aconselho que compres os voos com alguma antecedência (3 a 6 meses) de forma a conseguires os melhores preços. No sudoeste asiático não faltam low cost e normalmente uso o Google Flights para encontrar as melhores datas – nem sempre encontra todas as low cost por isso consulta sempre o site das companhias também.

Companhias de referência na Ásia (low cost)

Air Asia: toda a Ásia.

Tiger Air, Cebu Pacific (Filipinas), Lion Air (Indonésia), Scoot (Singapura), Jetstar (Ásia e Austrália), Malaysia Airlines, Nok Air

Tem MUITA atenção ao processo de compra nestas companhias porque estão sempre a acrescentar coisas como bagagem, comida, seguro… tens que rever todos os pontos e mudar tudo para “No, thanks” de forma a voltares ao preço normal.

Para companhias low cost na Europa espreita este post.

pexels-photo

       4. A procura pelo roteiro perfeito

É altura de mergulhar em sites, guias de viagem, blogues, pinterest, grupos de viajantes no facebook, mapas… tudo!! Esta é a minha parte preferida da preparação porque é uma pesquisa contínua pelas melhores praias, vulcões, treks, cidades… é a descoberta daquele sítio que parece ser o teu paraíso perfeito. Tento deixar alguns dias livres para sugestões ou convites que surjam. Neste post podes encontrar alguns dos meus recursos preferidos para planear viagens.

pexels-photo-297755

          5. Passaporte

Quem está habituado/a ao belo do espaço Schengen pouco se preocupa com isto, mas para viajar para fora da Europa precisas de um passaporte e para alguns países de visto também.

Fazer um passaporte custa 65€ (sim, é caro!) e aconselho-te a marcares online o dia, hora e sítio onde o vais fazer evitando as típicas filas de horas. O processo é muito simples, basta ires a este site e pesquisares os sítios pela data e concelho. O passaporte normal demora uma semana a estar pronto.

Para qualquer sítio que vás certifica-te que o teu passaporte tem mais de 6 meses de validade. Exemplo: aterras na Indonésia a 6 de Janeiro. O teu passaporte tem de ser válido pelo menos até 6 de Julho desse ano.

passport-931882_1920

         6. Vistos

Para saberes se precisas de vistos ou não para a tua viagem o melhor é consultares o Portal das Comunidades Portuguesas que diz como deves proceder para visitar cada país.

Para a maioria dos países, ou não é necessário visto, ou podes obtê-lo à chegada. Contudo, existem outros sítios “mais complicados” para os quais é preciso contactar a embaixada e agências de viagem do país para emitirem um convite como a Rússia, Butão, China…

Também convém ter em consideração que teres o carimbo de um determinado país pode condicionar a tua entrada noutros.

Exemplo: um carimbo de Israel impossibilita a entrada em vários países do médio oriente. Isto pode ser contornado nos aeroportos (o carimbo fica num papel) mas se entrares no país por terra não.

        7. Consulta do Viajante

Aquela consulta que nos faz pensar “mmm então se calhar é melhor não ir…” mas que é obrigatória. Entre malária, encefalite japonesa, medicamentos para a diarreia e conselhos úteis que te podem salvar a vida esta consulta é imprescindível para qualquer pessoa que viaje para Ásia, África ou América Central e do Sul.

Prepara-te para desembolsar uma boa maquia para as vacinas e para construíres a tua farmácia ambulante.

Podes marcar a consulta do viajante em diversos pontos do país através do Sistema Nacional de Saúde. Convém fazê-lo um ou dois meses antes da viagem pois há vacinas que têm várias doses e que precisam de ser tomadas com intervalos de tempo.

Não é contrabando, é a tua farmácia ambulante :D
Não é contrabando, é a tua farmácia ambulante 😀

         8. Seguro de Viagem

Não é fácil dispensarmos dinheiro para uma coisa que não sabemos se vamos utilizar. Mas um seguro de viagem é imprescindível para quem quer viajar para fora da Europa, principalmente durante muito tempo.

Escolher o seguro

A escolha depende um pouco do que queres fazer e da forma como viajas. Todos os seguros devem cobrir dois tipos de despesas: despesas médicas e de evacuação de emergência. Se tiveres que ficar internado/a num hospital ou ser evacuado/a por helicóptero podes ter a certeza que a viagem te vai ficar umas dezenas de milhares de euros mais cara.

Depois, se vais especificamente fazer desportos de risco como mergulho ou ski deves assegurar que o teu seguro cobre esse tipo de desportos e se levares equipamento muito caro também existem seguros que asseguram os bens pessoais.

A maioria dos viajantes escolhe a World Nomads e a True Traveller para fazer o seguro de viagem. São especialistas neste sector e incluem, para além de despesas de saúde, despesas de bens, voos cancelados, passaportes perdidos, etc… tudo pode ser tratado online e até podes fazer logo a simulação de valor no site.

Contudo, eu optei por fazer pela Fidelidade, porque incluía as despesas mais importantes (saúde) e ainda algumas compensações em caso de atraso de voos e perda de documentos. É claro que o factor que mais me influenciou foi o preço, uma vez que o seguro para 6 meses da World Nomads seria quase 500 euros e o da Fidelidade me ficou por 118€ x 2 (não fazem para mais de 3 meses).

pexels-photo-132889

           9. Equipamento e mochila

Isto sim é uma dor de cabeça (e potencialmente uma dor de costas). Preparar uma mochila para 6 meses, para climas desde os 40 graus até uns 5 graus negativos, para inverno e verão, praia, trekking, floresta tropical, vulcões…

Vou fazer um post exclusivamente dedicado a este ponto, mas aqui ficam desde já algumas considerações a ter:

– Vais-te arrepender de levar uma mochila muito pesada. Eu não posso com mais de 6/7 quilos máximo.

– A regra número um de um viajante deve ser “leva metade do que estás a pensar na tua mochila e o dobro na tua carteira”.

– Esquece tudo o que seja produtos de beleza: secador, maquilhagem, acessórios, produtos para o cabelo, cremes… vá podes levar um hidratante!

– Distribui o peso da forma certa: os itens mais pesados devem ficar no topo.

– Leva sempre uma mochila pequena e confortável para andares no dia-a-dia.

– Faz cópia dos teus documentos e guarda-os em vários sítios diferentes.

– Arranja “packing cubes” – saquinhos individuais – para organizares os teus pertences. Eu dividi os meus por: Inverno, Verão, Higiene, Farmácia ambulante e Tecnologia. Assim é mais fácil do que teres que revirar a tua mala toda só para encontrares um top.

– Não leves sacos de plástico para a roupa suja ou para fazeres as tuas divisões. Fazem imenso barulho quando te estás a tentar despachar para apanhar um comboio e a são 5 da manhã num dormitório com mais 10 pessoas.

– Não leves coisas para todas as situações que “podem acontecer”. Se acontecerem no sítio onde estiveres provavelmente existem lojas 😉

pexels-photo-198993

          10. Dinheiro “na estrada”

Outra das questões mais relevantes é como lidar com o dinheiro enquanto se viaja. Como as taxas de levantamento costumam ser exorbitantes, o melhor será levar uma boa quantia em euros, espalhada por vários sítios, e trocar no centro da cidade (no aeroporto o cambio nunca é grande coisa).

Para além disso, convém contactares o teu banco e informares dos teus planos para não te cancelarem a conta quando virem dinheiro a sair da conta para sítios com nomes esquisitos.

Tenta ter também mais do que um cartão porque se uma máquina te comer um deles não ficas tão desamparado/a e nem todos os sítios aceitam vários tipos de cartões.

pexels-photo-164560

 

E pronto, espero que ajude! Se tens alguma dúvida ou dica não hesites em escrever 😉

 

2 Comments Add yours

  1. Acho que a melhor viagem é sempre a próxima. Preciso sempre viajar de novo para confirmar, rsrs

    Gostar

    1. inesamaral diz:

      Acho que isso é uma grande filosofia de vida!

      Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s