Milão, a injustiçada: guia completo

Se há coisa que une todos os italianos é o seu desprezo por Milão. Sempre que contava a um italiano que ia me ia mudar para Milão para fazer o mestrado diziam “Milão é tão feia”, “as pessoas são tão antipáticas” “Milão não é Itália…” entre outros. Por isso, as minhas expectativas relativamente a Milão, uma cidade que só conhecia de passagem, não eram as melhores.

Entretanto passaram-se quase seis meses desde que estou aqui a viver e posso dizer que Milão é muito mais do que inicialmente imaginei. Está longe de ser só o Duomo e as Galerias Vittorio Emanuele. Nesta cidade podes encontrar algumas das melhores e mais famosas obras de Da Vinci, sair à noite e beber uns copos sentado em Colunas Romanas de século 2 B.C e experimentar um aperitivo diferente por dia.

Por isso decidi fazer uma lista dos melhores sítios para visitar, comer e conhecer em Milão. Dos mais famosos presentes em qualquer roteiro até aos mais secretos, conhecidos só por quem cá vive.

As estrelas de Milão

Il Duomo 

A estrela mais brilhante de todas: entrar na Praça do Duomo é algo triunfante, nunca deixa de ser surpreendente. De uma ponta a outra, toda a catedral é trabalhada e milhares de turistas acumulam-se à sua frente para a foto perfeita. Para uma perspectiva diferente e mais sossegada vai até à parte de trás, os vitrais em espiral são magníficos!


Por dentro o Duomo não é assim tão impressionante, por isso acho que só se justifica uma visita se as filas não forem longas (dias de semana ao pôr do sol é uma boa aposta) ou se não tiveres muito mais para fazer. Também é possível subir ao topo!

Galerias Vittorio Emanuele

Mais uma pérola. As galerias, para além da sua arquitectura impressionante, hospedam lojas de algumas das mais famosas marcas do mundo. Ver montras aqui é quase como ir a um museu.

Castelo Sforzesco

Um pouco menos famoso, mas de qualquer forma um lugar incontornável, o Castelo Sforzesco leva-te até ao lado mais medieval de Milão. O seu complexo inclui o Parco Sempione, o melhorzinho no centro de Milão, e vários museus com colecções de artefactos egípcios e medievais.


A Última Ceia

Certamente a obra de arte mais importante da cidade e uma das mais importantes do mundo. Ver esta pintura de Leonardo Da Vinci pode não ser a tarefa mais fácil de sempre, mas vale certamente a pena. Mais sobre a Última Ceia e como vê-la neste post.

Teatro Alla Scalla 

Está na minha bucket list desde que cheguei. Por este teatro passam as melhores óperas, bailados e concertos do mundo. Se tiveres em mente um programa mais cultural, este é o teu sítio.

A rota das Igrejas

Toda a gente sabe que Itália é sinónimo de igrejas de qualidade superior. E Milão não é excepção à regra. Mas aqui as melhores igrejas são as menos óbvias, normalmente aquelas que uma pessoa nem repara ao passar.

San Vittore al Corpo

Elejo a San Vittore al Corpo como melhor igreja de Milão! Para além de ter um dos interiores mais impressionantes que já vi, também tem um serviço de guias voluntários e no dia em que a visitei o guia foi um senhor velhinho muito fofinho que me levou pelo braço e que ia explicando, com o seu italiano lento, a história desta magnífica igreja.

San Maurizio

Por recomendação do mesmo guia fomos parar à igreja de San Maurizio. Infelizmente é bem mais conhecida e estava um bocadinho lotada, mas mal entrámos foi fácil de perceber porquê: não há um milímetro desta igreja que não esteja espectacularmente pintado. É ver para crer.

Sant’Ambrosio

Quando uma igreja te é referenciada por um arquitecto, sabes que tem que valer a pena uma visita. Este é uma das mais antigas igrejas de Milão (anos 300) e o seu exterior tem umas arcadas e pilares espectaculares  que nos guiam até à entrada principal.

Santa Maria presso San Satiro

Mais uma igreja cuja fachada não diz muito, até porque está esborrachada entre dois prédios, mas cujo interior é bem mais luxuoso. Está muito perto do Duomo, mas como passa despercebida é um bom local para fugir às multidões da zona.

San Bernardino alle Ossa

Esta igreja é onde eu gosto de levar os meus amigos para os aterrorizar. Uma espécie de capela dos ossos versão milanesa. A primeira vez que a visitei estava sozinha e não havia mais ninguém na igreja. Foi um bocadinho creepy.

Um toque de arte

Museo del Novecento 

Mesmo ao lado do Duomo, assim sem darmos quase por ele, está o Museo del Novecento. E sem querer descurar as suas obras de arte, a melhor parte do museu é mesmo a vista que se tem do topo sobre o Duomo e as Galerias. Este museu é grátis todas as Terças feiras depois das duas da tarde.

Pinanoteca di Brera 

Quando faço o meu papel de guia de Milão este é um sítio que nunca me escapa no roteiro. Para além de ter um complexo fantástico e de ser a casa da faculdade de belas artes, também tem a melhor colecção de arte da cidade com obras de Bellini e Raphael.

Pinanoteca Ambrosiana 

E vamos directamente para outra grande colecção de arte: a da Pinanoteca Ambrosiana. Aqui, os grandes nomes são Leonardo Da Vinci, Caravaggio, Botticelli e Raphael. A parte que mais gostei foi ver os esboços do Da Vinci e os seus papéis de estudo. O esboço d’A Escola de Atenas está a ser reparado no museu e ver o trabalho e esforço necessários para o fazer foi incrível.

A vida em Milão: os bairros

Naviglio Grande

A zona de Navigli foi umas das primeiras zonas que descobri aqui em Milão por ser mesmo pertinho da minha casa. E é o meu sítio preferido para ir dar um passeio à beira-canal. O Naviglio grande é particularmente famosos à noite porque tem uma imensidão de bares, restaurantes e aperitivos. Também é uma das zonas mais antigas da cidade e todos os sábados há um mercado de coisas em segunda mão.

Brera

Brera é o meu grande amor em Milão. É o único lugar que parece uma pequena vila italiana com poucas pessoas (esta última parte depende muito das horas). As ruas, as cores das casas, as lojas finas e até as pequenas igrejas: tudo combina na perfeição. Por isso, começa o teu dia bem cedo em Brera e vais ver que não te vais arrepender, principalmente se explorares as ruas menos óbvias e mais escondidas.

Porta Nuova & Garibaldi

E da parte mais antiga passamos para a parte mais recente! É na Porta Garibaldi que se reúnem os arranha-céus e o business district de Milão. A arquitectura destes edifícios é tão moderna e diferente que vale definitivamente uma visita. Depois, desce pelo Corso Como, onde se encontram algumas das lojas mais exclusivas de Milão, incluindo a da Chiara Ferragni, a rainha do Instagram.

Segue, segue, segue e vais dar ao Eataly, onde podes encontrar tudo, mas mesmo TUDO sobre cozinha italiana. É um espaço tentador com restaurante, padaria, queijaria, charcutaria e de onde podes facilmente sair com mais um quilo mas com a carteira bem mais leve para compensar.

E por fim Moscova, famosa pelos seus bares e mural da Gucci.

E por muito longo que este post pareça, Milão ainda tem mais para ver! Museus como o MUDEC, Trienalle ou Fundação Prada, para os amantes de arte contemporânea. A Estação Central, Bosco Verticale ou o Cemitério Maggiore pela sua arquitectura espectacular e a Chinatown para algo menos italiano 😉

O Corso de Buenos Aires é uma das maiores avenidas de Milão com todas as lojas possíveis e imaginárias e a Via Monte Napoleone onde se encontram as marcas mais exclusivas. Por fim, a Piazza dei Mercanti é um pequeno segredo perto do Duomo.

Per mangiare e bere

A cultura do Aperitivo e do Spritz

Uma das coisas mais importantes em Milão é o aperitivo. Depois do trabalho é muito comum ir para um aperitivo que consiste em escolher uma bebida alcoólica (qualquer uma do menu), pagar entre 8 a 11€ e comer tudo o que está disponível nesse lugar. Normalmente os aperitivos começam às 18 e acabam pelas 22, mas para mim, quanto mais cedo melhor.

Quanto ao Aperol Spritz, é a bebida mais famosa de Milão, especialmente para aperitivo. É uma mistura de proseco, aperol e água com gás. Duas sugestões para aperitivos com comida muito boa: Maya e Fonderie Milanese (tens que tocar à campainha)

Perto do Duomo: Luini (melhor panzerotti de Milão. Filas andam muito rápido) & Signor Vino (Uma refeição a sério com vista para o Duomo a preços decentes).

Comida local (tasco): Il Brutto Anatroccolo

Pizzaria: Da Zero (restaurante) Farini (rápido/takeaway)

Gelatarias: Officine del Gelato e Grom

Sair à noite: Colonne de San Lorenzo (bebidas baratas), Moscova (muitos bares).

Transportes em Milão

Os transportes funcionam muito bem em Milão e são muito eficientes. Os bilhetes podem ser facilmente comprados nas máquinas ou quiosques nas estações de metro. Um bilhete único custa 1.5€ e um bilhete de 24 horas custa 4.5€ (vale muito a pena). Incluídos estão o metro, autocarros e eléctricos. Dito isto, Milão é uma cidade completamente plana e é muito fácil de andar para todo o lado.

Espero que este guia te ajude a tirar o máximo proveito da tua visita a Milão e que mude a perspectiva de que é somente uma cidade industrial, feia e sem nada para ver.

10 Comments Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.